2019 Domingos Pascoal

Aracaju, Sergipe

  • White Google+ Icon
  • Twitter Clean
  • facebook

Raul Hélio Feijão - A leitura pela cidadania

  Hélio Feijão

 

Raul Hélio Feijão é Professor, Advogado e Radialista. Graduado em Direito e Especialista com pós-graduação em Direito Constitucional, ambos pela UVA – Universidade Estadual Vale do Acaraú. Membro efetivo vitalício da Academia Groairense de Letras, Cadeira nº 25, mora em Groaíras, Ceará.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O hábito de leitura é uma prática importantíssima para desenvolver o raciocínio, o senso crítico e a capacidade de interpretação. Segundo estudos, melhora o funcionamento do cérebro, estimula a criatividade e a compreensão. A leitura torna-se prazerosa se despertada logo na infância, fazendo parte então da formação cultural de cada indivíduo, estimulando a imaginação e proporcionando a descoberta de diferentes hábitos e culturas, consequentemente ampliando o conhecimento e enriquecendo o vocabulário de seu praticante.
Com melhor raciocínio ocorre a compreensão de muitas coisas, além de encorajar o cérebro a pensar de forma crítica. Os especialistas recomendam a leitura de livros que nunca foram lidos antes, como também de jornais, revistas, periódicos ou outros gêneros. Outro cuidado a ser observado e evitado é não ler um livro que não esteja no nível do leitor, podendo este vir a perder o gosto e se desmotivar. Desenvolvendo o senso crítico o cidadão vai se colocar à altura das discussões, não aceitando a imposição de qualquer tradição, dogma ou comportamento, sem antes questionar e pensar sobre as verdades impostas pela sociedade dominante.
A interpretação por seu turno, possibilita a conexão entre o que foi escrito e a realidade. Manifesta-se com as conclusões que podemos tirar com base nas ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo e são relacionadas com a dedução do leitor. Neste contexto, é através da leitura que aprendemos até mesmo de forma involuntária a aplicar a hermenêutica, um ramo da filosofia, que estuda a teoria da interpretação. 
O incentivo é responsável pela prática de muitas ações, sejam elas boas ou ruins, muito embora o gosto pela leitura se desenvolva logo nos primeiros anos e seja fruto de algo que cada um trouxe consigo desde tenra idade, porém muitas vezes já foi desenvolvida na fase adulta do indivíduo. Seja de uma forma ou de outra, nada desaconselha que tais atitudes convirjam para que mais crianças ou mesmo adultos sejam incentivados à leitura, com um pouco de ação dos pais, outro tanto da escola, alguma coisa pela mídia que tanta influencia a vida das pessoas e quiçá boa vontade própria, teremos cidadãos com muito raciocínio, capacidade de criticar de forma construtiva, interpretando a contento e exercendo plenamente sua cidadania, contribuindo assim, para uma sociedade justa e capaz de proporcionar o bem de uma forma, senão geral, mas que busque pela paz e harmonia de todos.     

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Bienal do livro de Maceió, a difícil arte de vender livros - Parte II - Por Antônio Saracura

19/11/2019

1/10
Please reload

Posts Recentes