2019 Domingos Pascoal

Aracaju, Sergipe

  • White Google+ Icon
  • Twitter Clean
  • facebook

Domingos Pascoal - Criticar

09/09/2019

Publicado na Revista Teor agosto/2019

 


Por acaso você conhece alguma pessoa que gosta de criticar? Existem muitas, não é mesmo? Aliás, quase todos nós somos, indevidamente, muito mais críticos do que elogiadores. Nós, infelizmente, nos sentimos melhor encontrando defeitos do que virtudes. Não percebemos, mas quando agimos assim causamos enormes danos: perdemos nós, “os críticos”, perdem os nossos relacionamentos com as pessoas e, sobretudo, perdem aqueles a quem dirigimos nossas maledicências. 
Imaginemos o terrível prejuízo que impomos aos nossos filhos por só acharmos que eles fazem tudo errado e por isso criticamos veementemente as suas descobertas: “menino, não faça isso”, “menino, não suba aí, porque você pode cair”, “este menino só me dá trabalho”, “eita menino danado!”. Não faça isso, não faça aquilo, não ponha a mão, não ponha o pé, não enfie o dedo… Não, não, não e não!
Nunca contei, mas falam por aí que uma criança escuta muito mais reprimendas, “críticas” e “nãos” durante um dia do que palavras de encorajamento, de apoio, de incentivo. E o que estas admoestações criam nas cabecinhas dos nossos infantes? Geram medo, insegurança, sentimento de incapacidade, fraqueza de caráter etc. Na adolescência, a qual maldosamente já foi denominada de “aborrescência”, as críticas são as mais cruéis possíveis. Nessa fase da vida, e não por acaso, conhecida como a fase “crítica” pela qual todos já passamos, é oportunidade de colheita e de busca de aprendizados, de contestações, de aceitações ou de negação dos valores existentes e até dos que virão ainda.
É, também, uma oportunidade que nós, os adultos, nos havemos muito mal com os nossos jovens, escolhendo quase sempre criticá-los, quando talvez fosse mais prudente mostrar-lhes o caminho, elogiar alguma iniciativa, evidenciar alguns valores, potencializar algumas atitudes e, sobretudo, ser mais condescendentes com os “erros”, pois eles sempre ocorrerão e todos nós sabemos que os erros cometidos serão degraus para os acertos. Ninguém está totalmente impossibilitado de fazer algo construtivo, inclusive os nossos adolescentes.
Por que, então, não enxergamos este lado bom deles? Elogiar o que é bom, bem feito, constrói muito mais do que criticar o que, segundo os nossos padrões, está errado. Quando um pai recebe o boletim escolar de um filho, por exemplo, qual é a nota que ele percebe primeiro? A nota baixa, ou nota “vermelha”, como se convencionou. Aí o mundo cai… A criança ou o adolescente já sabe, aquela nota “dez” que está logo ali ao ladinho da “vermelha” os pais não veem, eles enxergam exatamente aquela que o filho queria e gostaria de esconder, pois já está sendo punido, já está purgando uma pena por tê-la no lugar da outra. Nota baixa é punição. Ninguém, por prazer, faz uma avaliação escolar para auferir uma nota baixa. Se isto aconteceu, foi por outro motivo: não estudou, não entendeu, não gosta da matéria, não gosta do professor, não compreendeu as explicações, enfim, não foi por prazer que sofreu aquela sanção. 
Imaginemos que, ao receber aquele mesmo boletim, os pais, reunidos, chamassem o filho e dissessem: “filho, estamos orgulhosos de você, pois percebemos que você conseguiu muitas notas boas, vejamos: dez na matéria “X”, oito na disciplina “Y”, um sete na… Você realmente é muito bom…”. Garanto que ele mesmo diria: “mas eu não estou muito bem nesta disciplina aqui. Vejam, a minha nota foi apenas…”. E desenvolveria uma explicação justa e verdadeira para o seu insucesso, isto porque não estava com medo, diria a verdade. E, asseguro mais, se esforçaria o máximo possível para que aquilo não se repetisse nunca mais. E se, imaginando ainda a maturidade daqueles pais, eles respondessem a seu filho nestes termos: “Que nada, filho, você é competente, na próxima, sem dúvida, você vai realmente superar. Isto para você vai ser moleza. Agora, se você achar necessário, nós arranjaremos um professor para lhe ensinar esta matéria. É você quem vai dizer se é necessário, ok?”. 
A crítica é também um grande mal quando sistematicamente utilizada entre os casais, professor e aluno, patrão e empregado… Causa, enfim, um dano muito grande nos relacionamentos, por mais sólidos que sejam eles. Evidenciar erros, criticar é a coisa mais fácil do mundo, basta que nos disponhamos a verificar as imperfeitas atitudes das pessoas e das coisas que nos cercam. Certamente vamos verificar muitas razões para censurar. Ninguém é perfeito. Nada que é produzido pelo homem pode atingir o padrão ideal. Sempre vai sobrar ou faltar algum detalhe, por mais bem planejado, mais detalhado, mais bem executado que seja, não importa que se use a melhor técnica, as mais aperfeiçoadas maneiras de manipulação, mesmo assim não é possível atingir-se a perfeição. 
Então, vai haver sempre uma brecha, sempre um motivo para satisfazer a sanha do censor, do crítico. No entanto, se for observado o todo, há mais pontos a elogiar do que defeitos merecedores de críticas, como no boletim do aluno. Lá só existia uma única nota “vermelha” e, ao seu lado, encontravam-se muitas outras que estavam dentro dos padrões normais, as quais sequer foram verificadas pelo pai que, naquele momento, parece que sentiu prazer em sacrificar o seu filho. 
Ora, se nunca vamos fazer tão perfeito, devemos esperar sempre que sobre uma fatia de imperfeição para os olhares argutos dos críticos, pois eles existem aos montes na busca dos mais insignificantes detalhes para explorarem como sendo a oitava maravilha do mundo. A crítica é perigosa porque fere o orgulho das pessoas, desestimula as iniciativas, faz estancar processos evolutivos, fere o amor próprio, magoa o seu sentimento de importância, gerando, por conseguinte, desconforto e ressentimento. A crítica, com raríssimas exceções, coloca o criticado na defensiva, fazendo com que, a partir do momento em que sofreu a ação deletéria da negativa intenção, entre no campo defensivo e procure, por todos os meios, uma justificativa para aquilo que o seu “algoz” taxou de defeito. 
Como já vimos, nada mais prejudicial num relacionamento do que a crítica. Os pais que criticam as pequenas ou grandes realizações dos filhos contribuem para empurrar a autoestima deles para o nível mais baixo. De igual sorte, o cônjuge que deprecia as iniciativas do outro contribui para o desequilíbrio, para a simulação, para a desvalorização e anulação da criatividade, para o desgaste da amizade e do amor, enfim, para a destruição do relacionamento. 
Nos locais de trabalho, nada mais daninho do que a crítica. Ali a crítica sufoca, desestimula iniciativas, destrói a boa vontade, inibe projeções, fomenta a mesmice, mata a criatividade. Quem lidera com base na crítica, nem é líder nem tem liderados. Não é líder porque jamais conseguirá com que as pessoas sintam prazer em trabalhar, em colaborar, em conviver com ele. Jamais terá liderados. “Comandará”, sim, bajuladores, incompetentes sem criatividade, copiadores, pois pessoas que se aventuram ou são obrigadas a trabalhar com esse tipo de “chefe” normalmente estão impedidas de criar, pensar, inovar. Por isso se fecham, limitam-se, transformando-se apenas em autômatos. Vão fazendo aquilo que determinam para ser feito e, sobretudo, que possa agradar e evitar uma reprimenda. 
Incluo nas categorias acima os pais também, pois eles poderão ser líderes de seus filhos ou “chefes” de sua prole e, da mesma maneira, poderão ter liderados ou autômatos… E não adianta dizer que existem as críticas “construtivas”. A crítica, por mais bem-intencionada que seja, cria distensão, desencadeia descontinuidade, desestimula a criatividade e gera ambiguidade nas relações.   Não esqueçam, criticar é punir e ninguém gosta de ser punido.
 
*Domingos Pascoal

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Lançamento da Antologia do III Encontro de Escritores Monte-alegrenses e Convidados

12/11/2019

1/10
Please reload

Posts Recentes