2019 Domingos Pascoal

Aracaju, Sergipe

  • White Google+ Icon
  • Twitter Clean
  • facebook

Pássaros do Entardecer de Antônio Saracura

11/10/2019

Por: Edvar Freire Caetano

Autor: Antônio FJ Saracura

Editora: Infographics

 

Com meus escassos conhecimentos de literatura, permito-me afirmar que Antônio Saracura atingiu a maturidade na arte de escrever. Não sei por que essa leitura me fez associar “Pássaros do entardecer” ao romance de reconhecimento mundial “Almas mortas”, do russo Nikolay Gogol um dos mais consagrados de todos os tempos.

 

Reportei-me ao russo pela simplicidade em descrever, de forma cinematográfica, lugares, cenas e personagens que quase conseguimos ver e sentir. Vejo aí a maturidade do escritor itabaianense, debulhando na pena as aventuras de um homem comum, Zé de Ulisses, que decidiu conhecer o mundo que separava a sua Terra Vermelha do sonho de enricar em São Paulo, por décadas agarrado ao seu inseparável “caixão de europas” (Sua mala).

Nesse livro, querida leitora ou caro leitor, você vai viajar por dias e noites sem fim em pau-de-arara, por 4, 5, 6 dias de poeira, calor e frio até chegar no Eldorado de quase todos os nordestinos, São Paulo dos idos de 1950, 60, 70…

 

O casamento de Zé de Ulisses, com Zilda, companheira de fortunas e infortúnios, seus 9 ou 10 filhos, o reencontro com um filho que não conhecia, que apareceu décadas depois, fruto de uma aventura em uma viagem de pau-de-arara de São Paulo para Sergipe, quando namorou uma alagoanazinha. Por ela o nosso herói correu risco de morrer por vingança.

 

Devaneios, conquistas, perdas, riscos, tudo entranhado com histórias de amor e amizade, acertos de contas, traições… O personagem Omerin, poeta cordelista, sonhador incorrigível que encontra o amor de sua musa, a inatingível Branca, por conta de uma novilha parida e endiabrada que, estranhamente, permitiu que o poeta se aproximasse, acarinhasse e esvaziasse seus peitos doloridos.

 

O retorno de Zé de Ulisses para sua querida Itabaiana, o pioneirismo como primeiro plantador de batata inglesa em Sergipe, trazendo sementes de Santa Catarina, depois do Rio Grande do Sul, em incontáveis viagens de caminhão.

 

No crepúsculo dos seus anos, reencontros inimagináveis com companheiros de mocidade, a entrega do velho “caixão de europas” para a Casa de Cultura Nordestina, na Rua Sergipe, em São Paulo, criada por um pássaro de migração, seu amigo dos tempos de aventura, quando plantava roças de mandioca desbravando matas entre São Paulo e Paraná.

 

Pássaros do entardecer, um livro que você lê e fica com saudades: Li & Recomendo, publicado no jornal O Cinform, edição do final de
semana, 1904, 07/10/2019

 

 

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Vitrine Literária

06/12/2019

1/10
Please reload

Posts Recentes